• English
  • Traduzir site para Espanhol

Competências para a pós-modernidade

 

Como criar e estabelecer competências para ser um profissional pronto para os desafios da pós-modernidade

 

O sociólogo Zigmunt Bauman chama a era na qual vivemos de modernidade líquida, já que atualmente as relações de trabalho, as relações amorosas, as afinidades políticas, as condições econômicas e até os valores humanos podem mudar de um momento para o outro.

Deixamos de ter a solidez, a consistência e a estabilidade, tão caras ao século passado. Esta nova modernidade justifica o receio constante de perdas, já que tudo muda ou pode mudar rapidamente.

Com o que contar num mundo tão volátil?  Se os fatores externos não oferecem garantias, quais fatores internos favorecem nosso sucesso e felicidade?

Traffic Tunnel

Comecemos com a criatividade. Num mundo que valoriza muito mais a inovação do que a tradição, aumenta a demanda por profissionais que podem trazer algo novo às empresas, sem falar no sucesso de tantos empreendedores que tiveram suas ideias como ponto de partida.

E a criatividade não se limita à geração de ideias. É preciso ser criativo para solucionar problemas, aceitar e administrar mudanças e até para conseguir com que pessoas adotem ideias ou valorizem produtos e serviços.

Ainda assim, é preciso estar pronto para lidar com os percalços pelo caminho. Mesmo depois das decisões tomadas, do planejamento realizado o mundo e o mercado podem reservar muitas surpresas.  Com uma mente aberta, o que antes era visto como erro pode se tornar oportunidade.

De fato, a criatividade envolve desde o famoso jogo de cintura até a capacidade de tecer utopias e mudar o mundo.  E não precisa ser vista como algo complexo: é meramente a capacidade de recombinar o conhecimento de uma forma nova.

Além da criatividade, é preciso saber colaborar. A colaboração demanda, além da real vontade de atuar coletivamente, a curiosidade para aprender com os outros.

Requer também a capacidade de aceitação. Afinal, a certeza com relação ao próprio conhecimento pode impedir pessoas de aceitar outros pontos de vista.

Pessoas colaborativas aceitam e apreciam que “quem conte um conto aumente um ponto” pois reconhecem que a riqueza se encontra justamente no acréscimo

Colaboração demanda habilidade para ouvir, negociar e discutir. Significa perceber ideias como complementares e não como opostas . Significa dar prioridade ao objetivo final, sem que os egos sejam atingidos, ou que as pessoas sejam diminuídas.

A capacidade de contribuir é tão importante que a reputação se tornou um dos bens mais preciosos de nossa era.  Hoje, é a reputação que guia pessoas, empresas e negócios.

Na modernidade líquida, o que se sabe vale tanto quanto quem se conhece.  Sabendo colaborar e estando cercado de pessoas ávidas para contribuir, nosso conhecimento é infinito.

Finalmente, chegamos na consciência. Não basta apenas fazer o trabalho, é preciso pensar nas consequências, pensar nas outras pessoas envolvidas e pensar em sustentabilidade.

As pessoas nascem criativas, cooperativas e conscientes?  Eu diria que sim, embora o potencial para cada uma dessas competências seja diversificado.

A permissão e o estímulo para o desenvolvimento dessas habilidades capacitará as pessoas  a construírem vidas bem sucedidas e harmoniosas.

Leia mais em V. Aprende com os Outros?  e A Volta à Era dos Caçadores