• English
  • Traduzir site para Espanhol

EM OUTUBRO, OU TU BROTAS OU TU MORRES

No hemisfério sul, a frase acima faz sentido: a primavera já explodiu e as flores que não desabrocharam correm de fato o risco de morrerem.

E nós?

Na minha adolescência, meus colegas costumavam chamar outubro de o mês do desespero escolar. Haviam passado o ano todo “na flauta”, chegara o momento de levar a escola a sério.

E depois da escola? Na empresa, mesmo tendo dado duro o ano inteiro, aproxima-se a hora das avaliações, ponderações, planejamento.

E principalmente, a hora de fazermos o que havíamos planejado e não conseguimos realizar. Chegamos à cruel realidade: por mais que tenhamos nos esforçado, parte dos nossos planos pode ter sido deixada de lado.

Pior: já que o clima de “agora ou nunca” é geral, todo prestador de serviços, seja ele um funcionário de uma empresa ou um consultor externo, está ocupado, atendendo às demandas de suas áreas ou de seus clientes.

E as nossas demandas pessoais? Vamos mais uma vez sucumbir ou vamos finalmente nos permitir ler aquele livro, ir ao dentista, levar aquele papo com o líder?

Talvez devêssemos nos deixar influenciar pelo Calendário Judaico, no qual o ano começa agora. As celebrações sugerem um período de revisão dos sonhos e avaliação de nosso comportamento e culminam com um Dia do Perdão.

E se perdoássemos nossa extrema ambição, alimentada pelo pique do início do ano? Poderíamos reler nossos planos com um olhar benevolente e escolheríamos apenas alguns de nossos projetos.

Eles seriam de cunho profissional ou pessoal, não importa, desde que fossem pró-ativas, que só dependessem de nós.

motiv_outubro

Nunca me esqueci dessa frase, escrita junto à foto de uma flor na décima folha de um calendário.

Está difícil falar em energia em outubro? Lembre-se que se trata apenas de uma arrancada final, pois Natal e férias já estão a caminho.

Ou Tu Brotas Ou Tu Morres… soa ameaçador e radical. Mas vale o alerta para que façamos florescer nossos projetos para este ano. Sob o risco de deixá-los morrer ou revê-los na agenda do ano que vem.